15maio

Lesão no Joelho: Cuidados com possíveis Lesões nos Joelhos na Hora do Agachamento

Lesão no Joelho MusculaçãoNo presente artigo, discutiremos mecanismos de sobrecarga que poderão levar a uma lesão no joelho, dentro do contexto do famoso e polêmico agachamento. Sendo assim, iremos explorar este exercício na tentativa de entender como um dano pode ser gerado na articulação, como evitá-lo e o que fazer se já for tarde demais. Boa leitura!

 

Amplitude e Ativação Muscular

 

Quando o assunto é agachamento, cedo ou tarde surge a pergunta “até onde posso descer?”. Como todos devem saber, esta polêmica acaba dividindo os marombas em dois times: o que abomina a forma profunda, defendendo, normalmente com sensacionalismos, o até 90°; e o que exige, com fúria, que se agache até o chão, não admitindo outra possibilidade de execução.

O que posso adiantar ao leitor é que ambos os grupos estão errados e veremos o porquê na sequência!

BARONE et al. (2008) compararam os agachamentos parcial e completo no que tange à ativação eletromiográfica dos músculos quadríceps, glúteo máximo (GM), posteriores de coxa e adutores e obtiveram o seguinte resultado: quanto mais profundo o agachamento, maior o recrutamento muscular. Além disso, quem mais teve seu trabalho incrementado com a descida até o chão, se comparados à de 90°, foram o quadríceps (foi de 55 a 89%) e o GM (foi de 50 a 74%).

Com isto, já tiramos algumas informações valiosas: as pessoas que defendem o agachamento profundo estão certas quando dizem que ele aumenta a solicitação muscular, porém, muitos argumentam de forma errada, dizendo que tal prática deve ser realizada em favor dos posteriores de coxa…

Eles de fato acabam trabalhando mais, é verdade, porém, quem domina a brincadeira são o quadríceps e o GM! Entenda que a solicitação da dupla já era bastante alta até 90°, passando a ser gigantesca até o chão, enquanto que, em relação aos posteriores de coxa, na versão parcial eles trabalhavam pouco (23%) e na profunda, um pouquinho mais (38%), continuando com singela participação.

 

Amplitude e Sobrecarga

 

Bom, mas muitos devem estar pensando: Fernandão, bacana isso tudo, mas não vou ganhar uma lesão no joelho caso agache tudo??

Faz sentido, sobretudo quando lhes informo que a compressão patelofemoral, do osso da patela no fêmur, aumenta conforme flexionamos esta articulação. Por curiosidade, a força compressiva gerada é de duas vezes o seu peso corporal somado à carga, ou seja, se você pesa 100kg e agacha com 150kg, terá um impacto de 500kg (2x[100+150])!!! (ESCAMILLA et al., 1998, 2001).

Assustador, não?! Especialmente quando imaginamos isto sendo aplicado, cronicamente, no joelho de uma pessoa despreparada, que terá a cartilagem da articulação desgastada, desenvolvendo, no longo prazo, uma condromalácia (doença que possui diversos níveis, causa muita dor e, o pior, é irreversível)!

“Ah, agora entendi! Então é por isso que devemos agachar até 90°, Fernandão?!?!”

Não! O grande problema de todo este cenário é que as pessoas ouvem informações de maneira dispersa, fora de contexto e sem embasamento, e saem divulgando e reproduzindo a desinformação.

Para começo de conversa, 80° é onde atingimos o máximo da compressão patelofemoral, ou seja, quem vai “só” até 90°, não só “forçou” o joelho mais do que gostaria, mas também trabalhou de forma parcial a musculatura, ou seja, errou duas vezes.

Por outro lado, engana-se quem pensa “já que é assim, vou agachar até o chão, pois já estava lidando com o máximo da compressão mesmo…”.

Ocorre que a sobrecarga pode não aumentar em intensidade, mas aumenta em tempo, ou seja, ao invés de levar aquela carga de 500kg por 1 segundo, a estará recebendo por 3, por exemplo, o que faz muita diferença quando o assunto é lesão no joelho.

Bom, agora acredito que todos ficaram confusos, pois ora falei bem, ora falei mal dos tipos de agachamento. Sendo assim:

 

Como proceder?

 

O primeiro passo é entender que não necessariamente receber uma sobrecarga é algo ruim, que irá lhe brindar com uma lesão no joelho, desde que você esteja preparado para lidar com ela. A cartilagem patelofemoral, como qualquer outra, vai incrementando em resistência ao longo do treino, adaptando-se, igual ao músculo, porém, de forma muito mais lenta.

Em outras palavras, conforme o programa avança, o sujeito fica mais apto a lidar com cargas cada vez maiores, contudo, são poucos, atualmente, os que fazem um treinamento bem planejado, com repouso adequado e respeito aos limites corporais, sendo assim, a maioria acaba gerando sobrecargas excessivas e crônicas, ganhando uma lesão no joelho e acusando o agachamento como o culpado tempos depois…

Tenha em mente que a amplitude é algo que podemos trabalhar sim, sobretudo em pessoas iniciantes, sedentárias, obesas, idosas e lesionadas, porém, isso não pode ser feito no achismo, pois, como vimos, o tal do 90° não é a melhor opção.

Se este for o seu caso, a dica que dou é para trabalhar com as duas incógnitas, carga e amplitude, de forma separada, mantendo a primeira fixa e incrementando somente a segunda, um pouco a cada semana. Quando estiver agachando até o chão, aumente o peso e recomece o jogo.

Por outro lado, se você é um atleta, uma pessoa experiente na musculação ou alguém acostumado a praticar atividades físicas, o que recomendo é que use o agachamento profundo sim, pois ele é o melhor em termos de ativação muscular e vai lhe proporcionar os melhores resultados. Não há porque ser cauteloso com esse perfil populacional, uma vez que ele já está preparado a receber sobrecarga e a lidar bem com ela.

 

Tenho uma Lesão no Joelho.. E agora?

 

Uma lesão no joelho por degeneração da cartilagem patelofemoral é muito delicada, haja vista que, quando percebida/sentida, já é tarde demais, uma vez que é irreversível, pois este tecido não se recupera.

Para piorar, a dor no joelho é um sinal que pode levar tempo para aparecer, haja vista que, por não ser inervada, a cartilagem não acusa quando sofre, sendo que a dor só é percebida por conta de um processo inflamatório que ocorre num quadro um pouco mais adiantado.

Sendo assim, caso você esteja percebendo que algo não vai bem com seus joelhos, a recomendação é a de parar a atividade e visitar um ortopedista, de modo a avaliar os danos. Independentemente do diagnóstico, passado o processo agudo de dor, chegará a hora de voltar a treinar, para fortalecer a musculatura, haja vista que este é o melhor tratamento, porém, dessa vez, com mais sabedoria e melhor orientação.

Digo isto porque um quadríceps fortalecido irá melhorar a absorção de impacto e a estabilidade articular, impedindo que a degeneração se agrave, estagnando-a, e, inclusive, devolvendo a qualidade de vida perdida para a pessoa com lesão no joelho, em maior ou menor grau, dependendo da extensão do dano.

 

Conclusão

 

Hoje, vimos que existem diversos mitos e alardes acerca da lesão no joelho dentro do contexto da amplitude do agachamento, contudo, também há razões para ficarmos em alerta e repensarmos a maneira com a qual dialogamos com este exercício.

De maneira geral, as pessoas se dividem em dois grandes grupos: os que temem a amplitude completa, realizando o exercício até 90°, e aqueles que defendem o modo profundo.

Pudemos perceber que a primeira turma erra duas vezes, seja por achar que não está gerando uma sobrecarga alta, seja por proporcionar uma ativação muscular baixa. A segunda, por sua vez, pensa apenas no recrutamento muscular, ignorando possíveis mecanismos de lesão no joelho, que fatalmente poderão ocorrer caso a pessoa não esteja preparada para lidar com a sobrecarga. Sendo assim, repensem seus conceitos e treinem apenas sob a orientação de um profissional capacitado!

Ficamos por aqui! Espero que tenham gostado da leitura e até a próxima!

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Sempre que for iniciar uma rotina de treinamento, consulte um Educador Físico. Sempre que for fazer uso de suplementos alimentares, procure a recomendação de um Nutricionista.

Todo o post publicado possui autorização expressa do autor. Não é autorizada a cópia total ou parcial de nenhum conteúdo disponível no site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *