Conheça as Doenças causadas pela Falta de Vitamina D

Doenças causadas pela Falta de Vitamina D
Whey Protein Growth
Whey Protein Growth
Whey Protein Growth
Whey Protein Growth

As doenças causadas pela falta de vitamina D podem surgir em qualquer idade, pois a carência desta vitamina é decorrente tanto da falta de exposição a luz solar quanto a uma dieta pobre em alimentos com vitamina D.

A vitamina D atua no organismo como um hormônio que tem a função de regularizar o nível do cálcio no sangue e nos ossos e também o nível de fósforo, ela se liga a determinados receptores em células alvo que têm o papel de interagir sobre o metabolismo do cálcio.

É uma vitamina lipossolúvel ou seja precisa dos lipídios (gorduras) para ser absorvida, por isso ela é derivada do colesterol, é a partir dele que é possível sintetizá-la.

Quando há falta desta vitamina no organismo, podem surgir alguns sintomas relacionados aos ossos, pele, problemas cardiovasculares e cognitivos, pois além de atuar sobre o cálcio, estudos apontam outros fatores relacionados a falta da vitamina D.

A vitamina D além de ser sintetizada pela pele, pode ser encontrada em alguns alimentos, principalmente os de origem animal, mas em casos de carência onde o nível está muito abaixo, é preciso usar suplementação sob orientação médica.


Para que o corpo a produza pela pele, é preciso deixar exposto ao sol ao menos braços e pernas por no mínimo 15 minutos diariamente sem usar o protetor solar, para que não haja risco de prejudicar a ´pele, os dermatologistas aconselham que seja antes das 10:00 da manhã e após às 16:00.

Além da exposição ao sol é necessário ainda consumir peixes como sardinha, salmão, atum, tilápia, truta, leite , queijos, gema de ovo, cogumelo maitake ou portobello, suco de laranja natural, estes alimentos são  fontes de vitamina D.

Quer saber mais como evitar a falta de vitamina D? Então continue aqui!

 

Como acontece a síntese de vitamina D pela pele

 

O colesterol dos alimentos tem um substrato que fica armazenado na pele, este é um precursor da vitamina D, é o 7 dehi drocolesterol (vitamina D7), ao ficarmos expostos ao sol, os raios ultravioletas transformam a vitamina D7 em vitamina D3.

A vitamina D 3 ou colecalciferol chega ao fígado e lá é transformada na forma ativa da vitamina D também chamada de calcitriol.

Para que aconteça esta síntese além da exposição ao sol é preciso o colesterol dos alimentos, porém isso não quer dizer que a alimentação deva ser rica em gordura, uma dieta equilibrada é o suficiente para que a vitamina D seja produzida.

Vale ressaltar que as gorduras benéficas como o ômega 3  e outros ácidos graxos mono e poli insaturados presentes em peixes, oleaginosas e sementes de chia, linhaça, gergelim, girassol, são ótimas fontes de gordura.

A vitamina D3  pode ser obtida também a partir de alimentos de origem animal, como:

# Peixes

# Ostras


# Gema de ovo

# Fígado bovino

# Leite e queijos

Apesar de estar presente nestes alimentos, a melhor maneira de absorver a vitamina D3 é pela pele, a partir destes alimentos a absorção não é tão biodisponível.

Em alimentos de origem vegetal como cogumelos Maitake, Portobello, Branco e Marrom que são cultivados ao sol e no suco de laranja  e cereais, temos a vitamina D2 ou ergocalciferol, porém a melhor fonte alimentar de vitamina D é o óleo de fígado de bacalhau que pode ser consumido em cápsulas.

 

Papel da vitamina D no organismo

 

A vitamina D além de atuar sobre os níveis de cálcio e fósforo absorvidos, interage com a glândula paratireoide e através desta reduz a perda destes minerais pelos rins e otimiza a absorção destes minerais pelo intestino, desta maneira há maior aproveitamento do cálcio para a mineralização do tecido ósseo.

Além desta função, a vitamina D age também para a melhora do sistema imunológico, saúde cardíaca, aumento da massa muscular, metabolismo da glicose e saúde mental.

Estudos apontam que o nível adequado de vitamina D está associad a uma maior sobrevida em pessoas com doenças cardíacas, assim como para o sistema imunológico evidências apontam que esta vitamina tem efeitos imunomoduladores sobre células como os linfócitos T (células de defesa).

Leia também:

Lista de Alimentos com Vitamina D para complementar sua Dieta

Para que serve, quanto precisamos e onde encontrar a Vitamina D

10 dicas para Aumentar a Testosterona Naturalmente

Baixa Imunidade: Sintomas, Causas, Tratamento e Suplementação

Pesquisadores evidenciaram que a produção de serotonina ( hormônio do bom humor) aumenta quando há exposição a luz solar e reduz quando esta exposição diminui, avaliando um grupo de 80 pacientes idosos observaram que aqueles com níveis baixos de vitamina D tinham maior probabilidade de sofrerem de depressão.

Os cientistas já identificaram receptores para vitamina D em células do fígado, colon, cérebro, mama, próstata e no sistema imune e também já evidenciaram que ela tem controle em mais de 200 genes.

Diante deste fato é possível afirmar que a vitamina D pode ser preventiva para doenças relacionadas a estes órgãos e tecidos.

Whey Protein Growth
Whey Protein Growth
Whey Protein Growth
Whey Protein Growth

Por ter várias funções no organismo, esta carência pode  acarretar diferentes doenças causadas pela falta de vitamina D.

 

Doenças causadas pela falta de vitamina D

 

As doenças causadas pela falta de vitamina D podem ser as relacionadas ao metabolismo do cálcio, como também relacionadas a outras funções do corpo :

Raquitismo: em crianças causa amolecimento e enfraquecimento dos ossos podendo levar a deformidade dos ossos.

Osteomalácia: em adultos, torna os ossos moles e fracos.

Osteoporose: em adultos, os ossos ficam porosos por dentro se tornam mais frágeis, causando dores e fraturas.

Diabetes: a vitamina D age na secreção de insulina, portanto há um maior controle na liberação da glicose.

Resfriados e gripes: estudos apontaram que pacientes com baixos níveis de vitamina D apresentam mais problemas respiratórios.

Hipertensão arterial: a vitamina D reduz a produção de renina que é uma molécula que ativa a produção da angiotensina, substância que quando produzida  em excesso aumenta a pressão arterial.

Câncer: estudo realizado no Japão,por 16 anos, observou que houve  redução de 20% na probabilidade de desenvolvimento da doença  naqueles que tinham um nível maior da vitamina D.

Depressão: a vitamina D atua para aumentar a síntese de serotonina (hormônio do bem estar), evitando assim quadros depressivos.

Fraqueza muscular: a vitamina D mantém o equilíbrio do cálcio que atua na contração muscular, se não houver cálcio suficiente não haverá a contração dos músculos e consequentemente a fraqueza.

Artrite reumatoide: pesquisadores do Reino Unido ao observarem amostras  de sangue de pacientes com esta doença e concluíram que esta vitamina em níveis adequados pode ser um fator de prevenção.

Doenças auto imunes: o lupus, diabetes tipo 1, esclerose multipla, estudos confirmaram que os níveis baixos da vitamina D aumenta a probabilidade de desenvolver estas doenças.

Asma: gestantes com quantidades insuficientes de vitamina D podem gerar filhos asmáticos, porque esta vitamina está associada ao desenvolvimento dos pulmões.

 

Como prevenir a falta da vitamina D

 

A exposição ao sol é a melhor maneira de evitar a deficiência desta vitamina, porém há uma diferença para absorção dependendo da tonalização da pele.

Pessoas com pele mais escura terão a pele mais resistente aos raios ultravioletas e para estas a exposição ao sol precisará ser em tempo maior, pois a pigmentação da pele atua como um protetor solar natural.

Para pessoas de pele muito clara, os raios ultravioleta penetram mais facilmente e para estas uma exposição diária de braços e pernas de 5 a 15 minutos é o suficiente.

Vale salientar  que é importante ter os alimentos fonte de vitamina D na dieta.

Para aqueles que já passaram dos 50 anos, a produção da vitamina D pela exposição ao sol também se torna menos eficiente e para quem já passou dos 70 anos a sintetização desta vitamina se torna 30%  menor, favorecendo assim o aparecimento das doenças causadas pela falta de vitamina D, sendo então necessário monitorar os níveis da vitamina através de exames de sangue para que se necessário seja realizada a suplementação.


Crianças também poderão receber o suplemento quando é detectado o atraso no crescimento ou o raquitismo.

Apesar da deficiência da vitamina D ser muito incidente no Brasil, isto ainda não é tratado como um problema de saúde pública e por isso o exame que detecta a deficiência só é solicitado em alguns casos e mesmo assim não são todos os laboratórios que o realizam.

 

Suplementação de Vitamina D

 

A vitamina D pode ser encontrada em suplementos em gotas ou cápsulas, o medico escolherá a melhor maneira de utilização de acordo com fatores como a idade.

O suplemento em gotas geralmente é indicado para crianças desde bebês, a dosagem vai depender da concentração de cada marca de suplemento.

As cápsulas podem ser utilizadas por adultos e crianças maiores de 12 anos, geralmente é indicado para que se tome 1 vez ao dia.

 

Onde encontrar o Suplemento de Vitamina D?

Diante de tudo que foi exposto podemos concluir que a exposição ao sol é imprescindível para a produção da vitamina D no nosso corpo e também não poderão faltar os alimentos fonte desta vitamina.

Quando esta vitamina está deficiente é importante suplementar para manter a saúde e evitar muitas doenças ou para dar um Up na perda de peso.

E para garantir um uso com referências seguras deste suplemento, indicamos o suplemento da Growth Supplements, que é uma das marcas mais confiáveis presentes no mercado – ela é regularizada pelos órgãos responsáveis e tem um dos laudos mais transparentes do país.

Na Growth Supplements, por exemplo, além da autenticidade, é possível encontrar Vitamina D com valor muito baixo, que chega até 40% a menos que lojas convencionais. Clique aqui e confira!

 

Esperamos que este post tenha sido útil para você saber mais sobre as doenças causadas pela falta de vitamina D.


Se gostou compartilhe com os amigos !

Até a próxima!

 

Referência

Alves, Márcia; et al: Vitamina D – importância da avaliação laboratorial. Revista Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, 2013, Pages 32-39.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui